VACINAS
ADOLESCENTES

  • HPV

HPV

Esta vacina protege contra o Papilomavírus Humano (HPV, na sigla em inglês) e foi desenvolvida a partir de proteínas do vírus inativado, portanto não causa qualquer reação após a aplicação. O papilomavírus humano é uma DST (doença sexualmente transmissível) muito frequente, que provoca verrugas genitais e pode levar ao câncer do colo de útero, vulva, vagina ou ânus, alem da orofaringe (garganta) e pênis.

Estão licenciadas no Brasil duas vacinas contra o HPV. A bivalente que protege contra os tipos de vírus 16 e 18, e a quadrivalente que imuniza contra quatro tipos (6, 11, 16 e 18), ou seja, tipos relacionados a câncer e a verrugas genitais.

Quando tomar: Meninas e mulheres devem tomar a partir dos 9 anos de idade, em duas ou três doses, conforme a idade (esquema de duas doses = 0 e 6 meses e esquema de três doses = 0, 2 e 6 meses), obedecendo a indicação médica para a forma bivalente ou quadrivalente. Meninos e homens devem se imunizar entre os 9 e 26 anos de idade, com o mesmo intervalo para duas ou três doses, apenas com a forma quadrivalente da vacina.

Aplicação: Intramuscular.

Contraindicação: Gestantes e pessoas que apresentaram alergia aos componentes da fórmula após a primeira aplicação.

A importância da prevenção: As verrugas, ou condilomas, provocadas pelo Papilomavírus Humano podem surgir em diversas partes do corpo, desde os órgãos genitais até lábios e cordas vocais. Alem da prevenção contra as verrugas, a vacina tem o poder de prevenção contra diversos tipos de câncer e de lesões pré-cancerosas, envolvendo o colo do útero, vulva, vagina, ânus, orofaringe ou pênis. A transmissão do HPV se dá principalmente por via sexual ou simplesmente o contato sexual, mesmo sem penetração, sendo considerada uma DST. A infecção também pode se dar também por via vertical (da mãe para o feto).

A vacinação, portanto, é uma forma mais importante e eficaz de evitar esta doença e diversos tipos de câncer por ela ocasionados.

TRÍPLICE BACTERIANA TIPO ADULTO (DTPA)

Esta vacina protege contra três doenças infecciosas causadas por bactérias: difteria, tétano e coqueluche. Ela contém toxinas inativadas das bactérias que causam difteria e tétano, além de partículas inativadas da bactéria causadora da coqueluche. Por isso, a vacina não oferece qualquer risco de provocar estas doenças em quem a recebe.

Quando tomar: A Tríplice Bacteriana Adulto (dTpa) deve ser administrada como reforço da forma infantil desta vacina em dose única, a cada 10 anos. Por isso, é indicada uma dose aos 15 anos de idade e a partir daí a cada 10 anos, por toda a vida. Ela também é indicada para gestantes a partir da 20ª semana de gestação.

Aplicação: Intramuscular.

Contraindicação: Pessoas que apresentem alergia severa a algum dos componentes da fórmula ou após a primeira dose.

A importância da prevenção: Esta vacina é um importante reforço para as doses tomadas durante a infância, especialmente para as gestantes e também para adolescentes e adultos que convivem com crianças pequenas (de 1 a 2 anos), inclusive cuidadores. A vacinação da gestante tem como principal objetivo a prevenção do recém-nascido durante seus primeiros meses de vida, até que ele obtenha proteção através da sua própria vacinação.

A

difteria, provocada pela bactéria Corynebacterium diphteriae, é uma doença infectocontagiosa respiratória que atinge a faringe, a laringe e as amígdalas. É muito comum na infância, especialmente após gripes e resfriados em crianças não imunizadas. Pode provocar complicações graves, como a inflamação da epiglote, que pode levar ao sufocamento. Arritmia cardíaca e insuficiência renal também podem surgir em casos mais severos da difteria.

O tétano, embora não seja contagioso, é uma perigosa doença infecciosa que atinge o organismo por meio de lesões na pele (cortes, arranhões, mordidas) provocadas por animais e ambientes contaminados. A doença é provocada pela bactéria Clostridium tetani, que também pode se alojar na terra, plantas ou objetos contaminados (a ferrugem é um bom habitat para a bactéria, sendo comum a preocupação com cortes em metais enferrujados). O tétano provoca rigidez muscular e ameaça a vida caso atinja os músculos respiratórios.

Já a coqueluche, também conhecida como tosse comprida ou pertussis, é provocada pela bactéria Bordetella pertussis. É uma doença muito contagiosa, transmitida por saliva e gotículas expelidas pelo doente ao tossir, espirrar ou falar. Após uma fase de tosse com bastante catarro, o paciente passa a exibir acessos de tosse intensa, nos quais fica difícil até mesmo respirar. A doença é mais perigosa em crianças e idosos.

GRIPE(INFLUENZA)

A vacina contra Influenza, ou gripe, é formulada a partir de vírus inativados (portanto não há risco de reações). Existem dois tipos desta vacina: o trivalente, que protege contra duas cepas de vírus A e uma de vírus B, e a quadrivalente, que protege contra duas cepas de vírus A e duas de vírus B.

A cada ano a vacina sofre alterações de acordo com a cepa de vírus que deve ser mais prevalente durante o inverno nos dois hemisférios, de acordo com observações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Quando tomar: Em dose única, anualmente, nos meses que antecedem o inverno.

Aplicação: Intramuscular.

Contraindicação: Pessoas com alergia grave a um dos componentes da fórmula ou a aplicações anteriores da vacina.

A importância da prevenção: A influenza, ou gripe, pode provocar sérias complicações – especialmente respiratórias (pneumonia) – em crianças e idosos, além de pacientes portadores de doenças cardíacas, diabetes, obesidade e imunodeficiências. Esta poderosa virose atinge de 5% a 10% da população adulta do mundo a cada ano, e até 20% a 30% das crianças. Os adolescentes devem se imunizar para evitar tais complicações de saúde, e também para conter o ciclo de infecção dos surtos.

MENINGOCÓCICA CONJUGADA ACWY

Também conhecida como conjugada quadrivalente, a vacina meningocócica ACWY protege contra quatro sorogrupos de meningococo, responsáveis pelas doenças meningocócicas: A, C, W e Y. É desenvolvida com amostras inativadas dos meningococos, portanto, não são capazes de provocar nenhuma das formas da doença.

Quando tomar: A vacina Meningocócica quadrivalente ACWY deve ser administrada em adolescentes não vacinados na infância, em duas doses com intervalo de cinco anos. Para os que se vacinaram na infância (última dose entre 4 e 6 anos), é recomendável reforço após 5 anos (ou seja, por volta dos 11 anos de idade).

Aplicação: Intramuscular.

Contraindicação: Alergia aos componentes da vacina, ou após a primeira aplicação.

A importância da prevenção: A meningite meningocócica é uma infecção severa e que preocupa bastante os profissionais de saúde. Causada pela bactéria Neisseria meningitidis (meningococo), causa inflamação da membrana que recobre o cérebro e pode provocar infecção generalizada se disseminar-se na corrente sanguínea. Existem cinco sorogrupos de meningococo: A, B, C, W e Y.

MENINGOCÓCICA B

Protege a criança contra as doenças meningocócicas causadas pela bactéria meningococo do tipo B, responsável por cerca de 20% dos casos de meningite em crianças no Brasil. É desenvolvida a partir de uma partícula inativada da bactéria.

Quando tomar: Recomenda-se a imunização contra meningite meningocócica B para lactentes com 3 doses da vacina: aos 3m, 5m e 7 meses de vida. Posteriormente está indicada uma dose de reforço no segundo ano de vida.

Aplicação: Intramuscular.

Contraindicação: Alergia a alguns dos componentes da vacina, ou após a primeira aplicação.

A importância da prevenção: A meningite meningocócica é uma infecção severa e que preocupa bastante os pais e profissionais em saúde. Causada pela bactéria Neisseria meningitidis (meningococo), causa inflamação da membrana que recobre o cérebro e pode provocar infecção generalizada ao se diseminar na corrente sanguínea.

FEBRE AMARELA

A vacina febre amarela é desenvolvida a partir de uma forma atenuada (enfraquecida) do vírus causador da doença. Ela protege contra esta arbovirose (doença transmitida ao homem por um animal vetor - artrópode), comum em regiões próximas a florestas e matas.

Quando tomar: a vacina contra febre amarela deve ser administrada em crianças a partir dos 9 meses, adolescentes e adultos que vivam ou que irão viajar para as áreas de vacinação recomendada ou obrigatória. Alguns países exigem de seus visitantes o comprovante de vacinação contra a febre amarela, que deve ser tomada até 10 dias antes da viagem.

O esquema de vacinação atual exige uma única dose da vacina.

Aplicação: Subcutânea.

Contraindicação: Crianças de até 6 meses de idade e mulheres amamentando crianças de até 6 meses; gestantes (devem analisar os riscos com o médico em áreas de surto); maiores de 60 anos de idade devem avaliar com seu médico o risco do local onde mora ou para onde vai se deslocar); pessoas com histórico de alergia a componentes da fórmula (a vacina contém ovo de galinha e gelatina bovina); pessoas com imunossupressão ou imunodepressão graves; pacientes com câncer e transplantados.

A importância da prevenção: A febre amarela é uma doença infecciosa provocada por um vírus, que é transmitido ao homem pela picada de mosquitos. Existem duas formas de febre amarela: a silvestre e a urbana. A forma silvestre tem os macacos como reservatórios natural do vírus, que ao serem picados pelos mosquitos do gênero Haemagogus e Sabethes, podem transmitir a doença ao picar humanos. Já a forma urbana é transmitida de um indivíduo infectado ao outro por meio da picada do mosquito Aedes aegypti.

Nos dois casos, os sintomas e a progressão da doença são idênticos. O vírus da febre amarela se espalha rapidamente pelo organismo, atingindo fígado, rins, coração, pulmões e mesmo o cérebro. O paciente apresenta icterícia (pele e olhos ficam amarelados), sintoma que originou o nome da doença. Febre, dores de cabeça e musculares, vômito e diarreia são os principais sintomas. Em algumas pessoas, a febre amarela regride sem maiores consequências, mas em outras pode se tornar grave e colocar a vida em risco.

Em 2017, o Brasil passou por um grande surto da forma silvestre da febre amarela, o que fez a área de recomendação da vacina se expandir para boa parte do estado do Rio de Janeiro, a região de Campinas, no estado de São Paulo, e varias outras áreas de nosso país. Antes disso, todos os estados das regiões Norte e Centro-Oeste já faziam parte da área de recomendação de vacinação, além de regiões dos estados do Sul e do Nordeste. Como a dinâmica do vírus da febre amarela pode ser bastante rápida, é aconselhável sempre consultar as regiões onde a vacinação está indicada.

DENGUE

A vacina contra a dengue protege contra os quatro tipos do vírus que provoca a doença (DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4). Ela é produzida a partir de versões enfraquecidas (atenuadas) destes quatro tipos. É segura com raras reações após a sua aplicação.

Quando tomar: Esta vacina é indicada para crianças e adolescentes a partir dos 9 anos de idade e adultos até 45 anos de idade. Devem ser administradas três aplicações, com intervalos de seis meses, ou seja, 0, 6 meses e 12 meses.

Aplicação: Subcutânea.

Contraindicação: Gestantes e lactantes, imunodeprimidos e pessoas com alergia aos componentes da fórmula ou à primeira aplicação.

A importância da prevenção: A dengue é transmitida pela picada da fêmea infectada do mosquito Aedes aegypti e causa grande impacto na sociedade brasileira. A cada ano, centenas de milhares de pessoas em todo o país são infectadas por um dos quatro tipos do vírus da dengue. Existem três formas diferentes da dengue se manifestar no organismo, da mais amena até a mais grave: a dengue clássica, a hemorrágica e síndrome do choque associado à dengue.

A dengue clássica provoca sintomas parecidos aos de uma forte gripe, com febre alta, dor de cabeça e prostração. Também podem surgir manchas vermelhas pelo corpo. As crianças podem apresentar ainda vômito e diarreia.

A dengue hemorrágica apresenta sintomas parecidos, mas, a partir do terceiro dia de infecção começam a surgir hemorragias (no nariz, gengiva, vagina e nos vasos sanguíneos da pele). Nos quadros graves, pode ocorrer sangramento no sistema digestivo e na urina.

Já a síndrome do choque associado à dengue é um quadro no qual o paciente apresenta alterações neurológicas, insuficiência hepática e hemorragia digestiva.

VARICELA (CATAPORA)

A vacina contra a Varicela, ou catapora, é feita a partir do vírus enfraquecido (atenuado) e protege contra esta conhecida doença infectocontagiosa.

Quando tomar:  A vacina contra varicela pode ser aplicada em adolescentes suscetíveis, em duas doses. Até os 13 anos de idade, respeitar intervalo de três meses entre as doses. A partir dos 13 anos, o intervalo entre as doses pode ser de um a dois meses.

Aplicação: Subcutânea.

Contraindicação: Pessoas com alergia a um dos componentes da fórmula, ou que tiveram alergia após a primeira aplicação. Gestantes também devem evitar esta vacina. Pessoas com o sistema imunológico comprometido devem consultar antes um médico.

A importância da prevenção: Altamente contagiosa, a varicela (ou catapora) é causada pelo vírus Varicela-Zóster, que, mesmo após a cura, pode se reativar anos depois na forma de Herpes-Zóster. Os primeiros sintomas da varicela são febre alta e mal-estar, e até 48 horas depois, surgem manchas na pele que se tornam pequenas bolhas cheias de líquido. Embora provoquem muita coceira, é preciso evitar coçá-las a fim de evitar infecções por bactérias.

HEPATITE A ASSOCIADA À HEPATITE B

A vacina contra as hepatites A e B possui na mesma formulação o vírus inativado da hepatite A e de partículas do vírus inativado da hepatite B. Por isso, ela não oferece risco algum de provocar essas doenças.

Quando tomar: Esta vacina é interessante para adolescentes e adultos que nunca foram vacinados contra as duas formas de hepatite (A e B). Neste caso, a vacinação deve ocorrer o mais precocemente possível. Até os 16 anos de idade, o esquema vacinal deve ser feito em duas doses, com intervalo de seis meses. Após os 16 anos, três doses, sendo a segunda um mês após a primeira dose e a terceira cinco meses depois.

Aplicação: Intramuscular.

Contraindicação: Pessoas que apresentaram forma grave de alergia após a primeira dose e pessoas que apresentaram púrpura trombocitopênica após a aplicação de vacina contra a hepatite B.

A importância da prevenção: A Hepatite A, cujo vírus é transmitido via fecal-oral, costuma ser mais agressiva quando o paciente é adulto, podendo levar a uma forma fulminante da infecção, comprometendo o fígado de forma irreversível. A forma de transmissão torna possível a infecção durante o ato sexual, porém a forma mais comum de transmissão ocorre através da ingestão de alimentos ou água contaminada com o vírus.

A Hepatite B, causada pelo vírus da hepatite B (VHB), também pode comprometer o fígado e evoluir para cirrose hepática ou câncer no órgão. É transmitida pelo sangue, saliva, sêmen e secreções vaginas (por isso também é considerada uma doença sexualmente transmissível).