As diferentes formas da Hepatite: A, B, C, D e E – Entenda cada uma delas!

Hepatite A B C D E

As hepatites, ou doenças do fígado, são geralmente causadas por uma infecção (vírus) ou por substâncias tóxicas (álcool e medicamentos). As hepatites virais são classificadas de A a G, dependendo da família do vírus envolvido. Essas infecções virais podem afetar pessoas que também estão expostas ao risco de contrair HIV e outras ISTs. Aqui está um resumo das principais hepatites, como elas funcionam, como preveni-las e como diagnosticá-las.

L’hépatite aiguë correspond aux six mois qui suivent la contamination par un ou des virus des hépatites. Selon les cas, on peut ne rien ressentir, être fatigué, avoir ou pas de la fièvre, des nausées, une jaunisse (les yeux jaunes). En cas d’hépatite aiguë, il est recommandé de consulter un médecin, d’éviter de boire de l’alcool et même de prendre certains médicaments. Rarement, l’hépatite aiguë peut malheureusement détruire le foie rapidement et de manière irrémédiable et nécessiter une greffe du foie.

Durante uma hepatite aguda, o vírus pode ser eliminado ou permanecer no corpo, resultando em uma hepatite crônica se persistir por mais de seis meses. A hepatite crônica pode causar danos variados ao fígado, que podem surgir vários anos após a infecção. A evolução da doença varia de pessoa para pessoa e depende de diferentes fatores como infecção pelo HIV, consumo de álcool, idade, entre outros.

Ao se defender contra o vírus e destruir as células infectadas, o fígado se torna duro e fibroso. Isso é conhecido como fibrose, cuja medida permite avaliar a gravidade da hepatite (variando de F0, indicando ausência de fibrose, até F4, que indica cirrose). Esse processo de cicatrização reduz a capacidade do fígado de se regenerar e desempenhar suas funções. A evolução varia entre indivíduos e depende das circunstâncias (como coinfecção pelo HIV, consumo de álcool, idade…).

As hepatites virais são classificadas por letras do alfabeto. Entre elas, as mais comuns são a hepatite viral tipo C, seguida pela B, A, D (ou delta) e finalmente a hepatite E. Os vírus B e C podem causar hepatites que às vezes se curam espontaneamente na fase aguda, mas podem se tornar crônicas. A hepatite A se cura espontaneamente após causar grande fadiga e nunca se torna crônica. Vamos detalhar os efeitos e riscos das principais hepatites mencionadas acima:

Hepatite A e E: VHA e VHE

Esses vírus são encontrados nas fezes de pessoas infectadas. A contaminação ocorre pela boca, através do contato com água ou alimentos inadequados ou contaminados. Portanto, essas duas hepatites são especialmente comuns em áreas onde a higiene, o saneamento básico e as práticas de desinfecção deixam a desejar. Em nossas regiões, o principal risco está relacionado à prática sexual conhecida como anilingus, que envolve o contato entre a boca e o ânus e pode expor ao VHA (vírus da hepatite A) e ao VHE (vírus da hepatite E).

You might be interested:  Sintomas da nova gripe: quais são eles?

Após uma fase aguda, extremamente cansativa, o organismo elimina o vírus. As hepatites A ou E nunca se tornam crônicas. Em alguns casos, a hepatite pode ser grave.

Não há tratamento para essas duas hepatites, mas existe uma vacina contra a hepatite A. Essa vacina é parcialmente reembolsada para pessoas que já têm uma infecção crônica no fígado, como a hepatite B ou C. É recomendada também para pessoas expostas, como gays, pessoas que já vivem com hepatite B ou C e pessoas que viajam para áreas endêmicas.

Hepatite B: Vírus da Hepatite B (VHB)

A transmissão do vírus da hepatite B ocorre principalmente através de relações sexuais desprotegidas (penetração, sexo oral e sexo oral em mulheres), bem como pelo compartilhamento de objetos que entrem em contato com sangue, mesmo em pequenas quantidades. É possível contrair a hepatite B ao compartilhar agulhas ou outros equipamentos para uso de drogas injetáveis, embora isso seja menos comum. Outras formas menos frequentes de contaminação incluem o uso compartilhado de utensílios como seringas para sniffar drogas, piercings, escarificações, lâminas de barbear e escovas de dentes. Embora seja teoricamente possível transmitir o vírus através da saliva durante um beijo, essa forma é muito rara. Além disso, uma mulher grávida portadora crônica do vírus da hepatite B pode transmiti-lo ao seu bebê durante a gravidez.

Após a fase aguda, na maioria dos casos, o vírus da hepatite B é eliminado do corpo: isso significa que a pessoa está curada e imunizada contra a hepatite B. No entanto, em alguns casos, a hepatite B pode se tornar crônica. Nesses casos, ela pode ser mais ou menos ativa em diferentes momentos e não há possibilidade de cura. Ao longo dos anos, essa condição crônica pode causar danos significativos ao fígado (risco de cirrose e eventualmente câncer).

Existe uma vacina contra a hepatite B, que é coberta pelo seguro de saúde. Pessoas que vivem com hepatite B crônica recebem um tratamento antirretroviral semelhante ao do HIV.

En téléchargement ci à droite, vous pouvez également consulter la brochure “Les hépatites et nous” de l’association Prométhée de St Martin d’Hères.

Hepatite C: Vírus da Hepatite C (VHC)

A transmissão do VHC ocorre através do sangue. Isso afeta principalmente os usuários de drogas que compartilham equipamentos de injeção e, em casos mais raros, equipamentos usados para piercing, escarificação, cheirar ou fazer a barba. Até a década de 1990, houve muitas infecções por transfusões sanguíneas na França. No entanto, atualmente isso não é mais o caso. As precauções relacionadas aos instrumentos médicos (uso de materiais descartáveis ou desinfecção) foram melhoradas.

A transmissão do vírus da hepatite C através de relações sexuais é extremamente rara e ocorre apenas em casos de contato direto entre o sangue dos parceiros. Isso pode acontecer durante práticas sexuais consideradas “hard” ou sadomasoquistas (SM) sem proteção, ou quando há penetração sem preservativo em que ambos os parceiros apresentam irritações ou lesões, como infecções sexualmente transmissíveis como sífilis, ou durante a menstruação. Observa-se um aumento significativo nos casos de hepatite C entre homens gays, principalmente devido à prática do slam ou chemsex (sexo sob influência de drogas para redução de riscos).

You might be interested:  É seguro consumir bebidas geladas quando se está resfriado?

Uma gestante que possui hepatite C crônica ativa pode transmitir a doença para seu filho.

Após a contaminação, é comum não apresentar sintomas e algumas pessoas conseguem eliminar a infecção espontaneamente. No entanto, isso não significa que elas estejam imunes a uma nova infecção pelo VHC. Ao contrário da hepatite B, o vírus da hepatite C se torna crônico em 80% dos casos. O vírus permanece no corpo e se multiplica no fígado. Após vários anos, pode causar danos significativos (risco de cirrose e câncer de fígado).

Existem tratamentos disponíveis para a cura da hepatite C. Desde 2015, com o surgimento de novos tratamentos chamados antivirais de ação direta (AAD), a duração do tratamento foi reduzida para 3 ou 6 meses, dependendo do caso. Esses tratamentos têm taxas de cura muito altas, acima de 95%, e causam menos efeitos colaterais em comparação aos tratamentos anteriores, como interferon, que eram difíceis de tolerar.

Hepatite D ou Delta: uma visão abrangente sobre a doença

A hepatite D ou delta afeta apenas pessoas que também têm hepatite B. A transmissão ocorre através do compartilhamento de objetos em contato com o sangue ou durante relações sexuais desprotegidas pelo uso de preservativo.

A hepatite D aguda pode ser grave e a coinfecção com hepatite B + D frequentemente se torna crônica. Ela progride então como uma hepatite B. Atualmente, não há vacina específica contra o vírus D, mas a vacinação contra a hepatite B protege contra a hepatite D.

Essa prática se refere principalmente aos usuários de drogas e produtos, que compartilham equipamentos para injeção e, ocasionalmente, materiais para piercing, scarification, sniffing ou barbear.

A transmissão do vírus da hepatite C através de relações sexuais é considerada rara, ocorrendo principalmente quando há contato direto de sangue com sangue ou compartilhamento de objetos.

O que é hepatite C?

A hepatite C é uma doença infecciosa do fígado causada pelo vírus da hepatite C (VHC), que possui material genético em forma de RNA. Existem sete genótipos diferentes do VHC, sendo os genótipos 1 e 3 os mais comuns na França.

Essa infecção provoca inflamação no fígado e danifica as células hepáticas, conhecidas como hepatócitos. A progressão da doença pode levar a complicações graves, como cirrose hepática e câncer de fígado.

A transmissão do vírus ocorre principalmente por meio do contato direto com o sangue contaminado. Isso pode acontecer através de compartilhamento de agulhas ou outros equipamentos para uso de drogas injetáveis, transfusões sanguíneas antes dos testes adequados serem implementados ou práticas médicas inadequadas.

You might be interested:  Nome da vacina contra a gripe

Além disso, a transmissão sexual desprotegida também pode ser um modo menos comum de contágio. É importante ressaltar que não há evidências sólidas sobre a transmissão por meio do contato casual, como abraços, beijos ou compartilhamento de alimentos e bebidas.

O diagnóstico precoce da hepatite C é fundamental para evitar complicações futuras. Testes sorológicos específicos podem detectar anticorpos contra o VHC no sangue. Caso seja identificada a presença desses anticorpos, são realizados exames adicionais para confirmar se há infecção ativa pelo vírus.

Atualmente existem tratamentos eficazes disponíveis para combater o VHC e curar a maioria dos casos. Essas terapias antivirais de ação direta têm altas taxas de sucesso e podem ajudar a prevenir danos adicionais ao fígado.

É importante destacar que medidas preventivas, como o uso de preservativos durante as relações sexuais, não compartilhar objetos cortantes ou perfurantes e garantir práticas médicas seguras, são essenciais para evitar a transmissão da hepatite C. A conscientização sobre os riscos e a disseminação de informações corretas também desempenham um papel fundamental na luta contra essa doença.

Diferença entre hepatite B e hepatite C

Diferentemente da hepatite B, o VHC (vírus da hepatite C) se torna crônico em 80% dos casos. O vírus permanece no corpo e se multiplica no fígado. Após vários anos, pode causar danos significativos, como risco de cirrose e câncer de fígado. Felizmente, existem tratamentos disponíveis que podem levar à cura da hepatite C.

É importante ressaltar que nem todos os indivíduos infectados pelo VHC necessitam de tratamento imediato. Em alguns casos, especialmente quando não há evidências de danos hepáticos significativos ou sintomas graves, os médicos podem optar por monitorar regularmente a função hepática antes de iniciar qualquer intervenção terapêutica.

P.S.: É fundamental destacar que a prevenção é sempre melhor do que o tratamento quando se trata das diferentes formas de hepatite. A vacinação contra as hepatites A e B está amplamente disponível e é recomendada para grupos específicos em risco. Além disso, medidas simples como lavagem frequente das mãos com água e sabão, evitar compartilhamento de objetos pessoais cortantes ou perfurantes e práticas sexuais seguras também são importantes para prevenir a transmissão dessas doenças infecciosas.

Como se contrai a hepatite B ou C?

A hepatite é uma doença que afeta o fígado e pode ser causada por diferentes tipos de vírus, como A, B, C, D e E. Esses vírus podem ser transmitidos através do contato com fluidos corporais infectados, como sangue, saliva, secreções vaginais ou esperma. Além disso, a hepatite B também pode ser transmitida da mãe para o bebê durante a gravidez ou parto.

Para se proteger contra os outros tipos de hepatite (A,C,D,E), é fundamental adotar medidas de higiene adequadas, como lavar as mãos regularmente com água e sabão antes das refeições e após usar o banheiro. Além disso,evitar compartilhar objetos cortantes ou perfurantes com outras pessoas também ajuda na prevenção dessas formas de hepatites.