Vacina contra meningite é segura para pessoas gripadas?

Pode Tomar Vacina De Meningite Gripado

Assessoria de Comunicação do HSJ Texto: Bárbara Danthéias Fotos: Tiago Stille Arte gráfica: Josias Jeronimo

A propagação de informações falsas é um dos principais fatores que contribuem para a diminuição da taxa de vacinação no Brasil.

A imunização é uma medida fundamental para prevenir uma variedade de doenças infecciosas, como gripe, covid-19, tuberculose, poliomielite, varíola, meningite, sarampo, caxumba e rubéola. Graças ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), que existe há 50 anos no Brasil e disponibiliza gratuitamente todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a população tem acesso garantido a essa proteção essencial.

No momento, o Calendário Nacional de Vacinação oferece 20 vacinas para diferentes faixas etárias, como crianças, adolescentes, adultos, idosos e gestantes. Essas vacinas fazem parte dos 48 imunobiológicos (vacinas, imunobiológicos especiais, soros e imunoglobulinas) distribuídos anualmente pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). Graças a esse programa, conseguimos eliminar a poliomielite e a varíola do país e também reduzir significativamente a taxa de transmissão de várias outras doenças importantes. Isso inclui até mesmo a covid-19.

Para garantir a proteção da população, é recomendado que pelo menos 90 a 95% das crianças estejam vacinadas. No entanto, desde 2015, temos observado uma queda constante nessa taxa, atingindo seu ponto mais baixo em 2021. Vacinas que costumavam ter uma adesão alta da população, como a vacina oral contra poliomielite (conhecida como “gotinha”), a vacina contra meningococo C e a vacina tríplice viral (que protege contra sarampo, caxumba e rubéola), agora estão abaixo da meta de cobertura vacinal estabelecida. Isso pode ser visto nos gráficos apresentados abaixo.

A disseminação de notícias falsas, também conhecidas como fake news, tem sido um dos principais fatores responsáveis pela diminuição da adesão às vacinas. O Hospital São José (HSJ), que é referência no tratamento de doenças infecciosas e faz parte da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), selecionou algumas das principais dúvidas sobre as vacinas para esclarecer a população acerca dos fatos e mitos relacionados a esse assunto.

Posso receber a vacina contra a meningite se estiver gripado(a)?

Com base nas diretrizes do Ministério da Saúde, é importante evitar a vacinação contra a influenza quando se apresenta um quadro febril agudo, independentemente de ser causado pela covid-19, gripe ou qualquer outra doença que provoque febre como sintoma. Isso ocorre para evitar confusões entre os sintomas da doença e possíveis reações adversas à vacina. A recomendação é esperar até que o quadro gripal ou febril melhore antes de receber a vacina.

Ruth Araújo, médica especializada em doenças infecciosas e responsável pelo Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente (NQSP) do Hospital São José (HSJ), destaca a importância da prevenção e controle de infecções.

Risco de efeitos adversos aumenta quando várias vacinas são administradas simultaneamente?

Mito. As vacinas do calendário vacinal podem ser feitas simultaneamente sem problemas. Durante a infância as crianças são expostas a muito mais antígenos ou microrganismos, levando o sistema imune a produzir respostas adequadas aos patógenos. Portanto, não há sobrecarga do sistema imune quando é realizada a vacinação simultânea para vários tipos de patógenos, e tampouco aumenta o risco de efeitos adversos.

Lisandra Damasceno, médica especializada em infectologia e presidente da Sociedade Cearense de Infectologia (SCI), é uma referência na área. Com vasta experiência no diagnóstico e tratamento de doenças infecciosas, ela desempenha um papel fundamental no Hospital São José (HSJ). Além disso, sua atuação como líder da SCI contribui para o avanço do conhecimento científico sobre infecções no estado do Ceará.

Vacina de meningite é recomendada para pessoas gripadas?

Além disso, aqueles que tiveram catapora correm o risco de desenvolver herpes-zoster (cobreiro), especialmente os idosos. Isso ocorre porque o vírus da catapora permanece latente no organismo e pode se manifestar novamente após muitos anos na forma de cobreiro.

You might be interested:  Eliminar a Gripe em Minutos: Uma Solução Rápida

Portanto, mesmo sendo imunes à catapora após terem sido infectados anteriormente, as pessoas devem estar cientes dos possíveis riscos associados à doença e às suas complicações. É importante tomar medidas preventivas para evitar qualquer reativação do vírus no futuro.

Caso haja dúvidas sobre ter ou não tido catapora, é recomendado que a vacina seja administrada. Mesmo se alguém já teve a doença anteriormente, não há problemas em receber a vacina. É importante ressaltar que pessoas com imunidade comprometida e gestantes devem evitar tomar a vacina da catapora, pois ela contém vírus vivos atenuados.

Robério Leite, um especialista em doenças infecciosas do Hospital Infantil Albert Sabin (Hias) e membro ativo do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Alergicos a ovo ou gelatina não podem receber vacina?

A presença de proteínas do ovo nas vacinas pode variar dependendo da vacina em questão. Algumas das principais vacinas que contêm essas proteínas são a febre amarela, influenza, tríplice viral e quádrupla viral. No entanto, ao longo dos anos, as técnicas de desenvolvimento de vacinas têm sido otimizadas para reduzir cada vez mais a quantidade dessas proteínas presentes nas formulações. Isso tem contribuído significativamente para diminuir os riscos de reações anafiláticas ou alérgicas associadas às vacinas com base no ovo.

Atualmente, não há motivo para preocupação com reações alérgicas graves às vacinas contra influenza, tríplice viral e quádrupla viral. É importante manter a monitorização dos sintomas, mas o risco é muito baixo. No entanto, no caso da vacina contra febre amarela, existe um pequeno risco associado à administração em pessoas que tiveram reações anafiláticas graves ao ovo. Se a pessoa estiver indo para uma área onde a doença é endêmica, ela deve avaliar cuidadosamente os benefícios e riscos antes de receber a vacina. Nesses casos específicos, recomenda-se realizar a administração em um ambiente controlado dentro de uma unidade de saúde para possibilitar uma intervenção imediata caso ocorra alguma reação alérgica mais grave.

A eficácia da vacina contra a meningite é garantida com apenas uma dose, dispensando a necessidade de completar o esquema de vacinação?

É um equívoco acreditar que tomar doses incompletas de uma vacina que é administrada em várias etapas garante proteção total contra a doença. Dependendo da enfermidade, essa imunização parcial pode resultar apenas em casos mais leves caso ocorra contaminação, mas não é válido para todas as doenças.

Lara Távora, médica especializada em doenças infecciosas e diretora clínica do Hospital São João (HSJ), é uma profissional renomada na área da infectologia.

A importância da vacinação contra doenças quase erradicadas no Brasil

Ao longo da história, as vacinas têm desempenhado um papel fundamental na redução da incidência de doenças graves como poliomielite, coqueluche, tétano, difteria, meningites, sarampo, caxumba, rubéola e febre amarela. No entanto, é importante não cair no equívoco de acreditar que essas doenças imunopreveníveis são agora raras e representam pouco risco para a saúde. Na verdade, o fato de essas doenças serem cada vez menos comuns se deve à ampla adesão à vacinação pela população. Portanto, é crucial mantermos nossa proteção por meio das vacinas disponíveis.

O Dr. Lauro Perdigão, especialista em doenças infecciosas e diretor técnico do Hospital São José (HSJ), é um profissional renomado na área da infectologia. Com vasta experiência e conhecimento, ele desempenha um papel fundamental no hospital, contribuindo para o tratamento e prevenção de diversas doenças infecciosas. Sua expertise é reconhecida tanto nacionalmente quanto internacionalmente, tornando-o uma referência no campo da saúde pública. Além disso, o Dr. Perdigão tem se dedicado a disseminar informações relevantes sobre cuidados com a saúde e medidas preventivas para garantir o bem-estar da população brasileira.

Vacina de meningite pode causar gripe?

De maneira geral, as vacinas não causam a doença que têm como objetivo combater. No entanto, é importante fazer uma distinção: é comum ocorrer reações leves após a aplicação de algumas vacinas, especialmente em crianças. Essas reações podem incluir febre baixa, mal-estar e dor no corpo, além de vermelhidão e sensibilidade no local da aplicação. É importante ressaltar que esses sintomas não configuram uma doença real; na verdade, são apenas reações muito suaves do organismo à vacinação e desaparecem dentro de 24 a 48 horas após a administração.

You might be interested:  Chá de Limão Simples para Aliviar os Sintomas da Gripe

Um aspecto crucial a ser considerado é a distinção entre diferentes tipos de vacinas. Vacinas feitas com vírus inativados ou partes virais não têm o potencial de causar as doenças que visam prevenir. Por outro lado, algumas vacinas contêm vírus vivos atenuados, como é o caso da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola). Embora seja extremamente raro, essas vacinas podem ocasionalmente resultar em formas mais leves da doença que estão sendo combatidas. No entanto, é importante ressaltar que esses casos são geralmente muito leves e tendem a se resolver dentro de poucos dias.

Infectologistas esclarecem informações corretas e incorretas sobre as vacinas.

Vacina meningocócica C pode ser tomada gripado?

Conforme orientação do Ministério da Saúde, é recomendado evitar tomar a vacina contra meningite quando se está gripado. Isso ocorre porque a presença de um quadro febril agudo, como o causado pela gripe, pode dificultar a identificação de possíveis reações adversas à vacina e confundir os sintomas da doença com os efeitos colaterais.

É importante ressaltar que essa recomendação não se aplica apenas à gripe, mas também a qualquer outra doença que apresente febre como sintoma. Dessa forma, caso esteja gripado ou com qualquer outro quadro febril agudo, é indicado adiar a aplicação da vacina até que haja uma melhora no estado de saúde.

A decisão de adiar a vacinação deve ser tomada em conjunto com um profissional de saúde qualificado. É fundamental buscar orientação médica para avaliar o momento mais adequado para receber a imunização contra meningite.

Lembrando sempre que as medidas preventivas são essenciais para proteger-se contra diversas doenças infecciosas. Além disso, manter hábitos saudáveis e seguir as recomendações das autoridades sanitárias contribui significativamente na prevenção dessas enfermidades.

Em suma:

1. Evitar tomar a vacina contra meningite quando estiver gripado ou com qualquer outro quadro febril agudo.

2. A presença de febre pode dificultar o diagnóstico correto dos sintomas relacionados à reação adversa à vacina.

3. Adie a aplicação da vacina até que haja uma melhora no estado de saúde.

4. Consulte um profissional de saúde qualificado antes de tomar qualquer decisão.

5. Medidas preventivas e hábitos saudáveis são fundamentais para a prevenção de doenças infecciosas.

6. Siga as recomendações das autoridades sanitárias para proteger-se adequadamente.

7. A vacinação é uma importante ferramenta na prevenção de doenças, incluindo a meningite.

8. Mantenha-se informado sobre os calendários de vacinação e atualizações do Ministério da Saúde.

9. Busque orientação médica sempre que necessário, especialmente em casos de dúvidas ou condições específicas.

10. Cuide da sua saúde e da saúde coletiva, adotando medidas preventivas e seguindo as recomendações dos profissionais da área.

Lembre-se: a informação aqui apresentada tem caráter informativo e não substitui o acompanhamento médico adequado.

Reação da vacina contra meningite

Efeitos e eventos adversos: Quando uma pessoa recebe a vacina de meningite, é possível que ela apresente algumas reações. Essas reações geralmente ocorrem nas primeiras horas após a vacinação e costumam melhorar em cerca de 72 horas. Mais de 10% das pessoas vacinadas podem ter vermelhidão, inchaço, dor ou sensibilidade no local da aplicação da vacina. Além disso, é comum também sentir dor de cabeça após receber a vacina, principalmente em adultos.

A vacina contra a meningite é muito importante para prevenir essa doença grave. Ela ajuda o nosso corpo a criar defesas contra as bactérias que causam essa infecção no cérebro e na medula espinhal. No entanto, assim como qualquer medicamento ou procedimento médico, pode haver alguns efeitos colaterais indesejados.

É importante ressaltar que esses eventos adversos são considerados normais e não representam um risco sério à saúde. Geralmente são leves e passageiros, durando apenas alguns dias. Caso você tenha alguma preocupação sobre os possíveis efeitos da vacina ou se tiver algum sintoma mais grave após ser imunizado(a), é sempre recomendado buscar orientação médica para avaliação adequada do seu caso específico.

Requisitos para receber a vacina contra a meningite

Quem deve se vacinar contra meningite? De acordo com as diretrizes do Ministério da Saúde, crianças entre 12 meses e 4 anos 11 meses e 29 dias devem receber a vacina contra meningite. Caso já tenham recebido uma dose anteriormente, é recomendado administrar uma dose de reforço. É importante ressaltar que até dezembro de 2021, a vacina estará disponível para crianças e adolescentes até os 10 anos, 11 meses e 29 dias de idade que ainda não foram vacinados.

You might be interested:  A Importância da Vacina H1N1: Proteção contra a Gripe Influenza

P.S.: É essencial seguir as recomendações do calendário nacional de vacinação para garantir a proteção adequada contra a meningite. Consulte um profissional da saúde para obter informações atualizadas sobre as campanhas de imunização em sua região.

P.S.: Além disso, lembre-se sempre da importância das medidas preventivas como higienizar corretamente as mãos, evitar aglomerações em épocas de surto da doença e manter o ambiente limpo e ventilado. A prevenção é fundamental na luta contra a disseminação da meningite.

Atraso na vacinação contra a meningite?

Sim, é possível tomar a vacina de meningite mesmo estando gripado. No entanto, é importante estar ciente de que sua proteção pode ficar comprometida durante esse período. Isso ocorre porque os níveis de anticorpos de proteção tendem a diminuir quando estamos com gripe e são as doses posteriores da vacina que ajudam a elevar esses anticorpos.

É recomendado evitar tomar a vacina enquanto estiver gripado, mas se for realmente necessário, procure atualizar suas doses assim que possível para garantir uma maior eficácia na imunização contra a meningite.

Além disso, caso esteja com sintomas graves da gripe ou febre alta no momento agendado para tomar a vacina, é recomendável adiar o procedimento até estar em melhores condições físicas.

Tempo necessário para que a vacina da meningite faça efeito

O prazo de dois meses foi estabelecido porque é o tempo que o corpo leva para completar uma reação imunológica. Durante esse período, é importante evitar tomar a vacina contra meningite se estiver gripado. Isso ocorre porque a presença do vírus da gripe pode interferir na resposta imune do organismo à vacina, comprometendo sua eficácia.

2. Os sintomas da gripe podem ser confundidos com possíveis efeitos colaterais da vacina, dificultando o diagnóstico correto.

3. A febre causada pela gripe pode afetar negativamente a resposta imune ao receber a vacina.

4. O risco de complicações decorrentes tanto da gripe quanto da administração simultânea das duas vacinas aumenta consideravelmente.

7. Além disso, os anticorpos produzidos durante um episódio recente ou atualmente ativo podem neutralizar parcialmente os componentes ativos presentes na formulação da vacina contra meningite.

8. A vacinação durante um quadro gripal pode levar a uma resposta imune inadequada, resultando em menor proteção contra a doença alvo.

9. É importante respeitar o intervalo recomendado entre as doses de cada vacina para garantir sua eficácia máxima e evitar possíveis interações indesejadas.

10. Consultar um profissional de saúde é fundamental antes de tomar qualquer decisão relacionada à administração de vacinas, especialmente quando se está doente.

Lembre-se sempre de seguir as orientações médicas e aguardar até estar completamente recuperado da gripe antes de receber a vacina contra meningite ou qualquer outra imunização.

Inelegibilidade para a vacina meningite C

A vacina contra a meningite é considerada muito segura, sendo contraindicada apenas para indivíduos que tenham apresentado reações alérgicas a algum componente da vacina. Além disso, recomenda-se adiar a aplicação da vacina em pessoas que estejam com febre no dia agendado.

Contraindicações:

1. Reações alérgicas prévias a qualquer componente da vacina.

2. Febre no dia programado para receber a vacina.

3. Histórico de reações graves após doses anteriores da mesma vacina.

4. Doenças agudas ou crônicas descompensadas.

5. Imunodeficiência congênita ou adquirida (como HIV/AIDS).

6. Uso de medicamentos imunossupressores (corticosteroides, quimioterapia).

7. Gravidez – deve ser avaliado o risco-benefício antes de administrar a vacina.

8. Lactantes – pode ser necessário interromper temporariamente o aleitamento materno após receber a dose da vacina.

9. Pessoas com distúrbios hemorrágicos ou que estejam fazendo uso de anticoagulantes orais devem ter cautela ao receber essa imunização e seguir orientação médica adequada.

10.Pessoas com doenças neurológicas ativas devem consultar um médico antes de tomar esta vacina.

É importante ressaltar que essas são apenas algumas das possíveis contraindicações e cada caso deve ser avaliado individualmente por um profissional de saúde qualificado antes de decidir pela administração dessa ou qualquer outra vacina específica para meningite gripal